domingo, 2 de novembro de 2014

Confira a nova entrevista da nossa mini-diva feita pelo site PopWrapped

O site PopWrapped divulgou, neste sábado, uma entrevista exclusiva feita com nossa mini-diva, Jacquie Lee, na qual ela fala sobre o seu novo EP ("Broken Ones") e também sobre o "The Voice": como isso ajuda e como dificulta. A entrevista completa traduzida você pode ler logo abaixo:


Os fãs do The Voice podem se lembrar claramente de Jacquie Lee como uma das favoritas, ficando atrás apenas da impecável Tessanne Chin durante a quinta temporada do programa. Desde a sua participação no programa, apenas há cerca de um ano atrás, a jovem cantora tem trabalhado duro em seu EP de estreia, que foi recentemente lançado (intitulado Broken Ones, da mesma forma que seu single de estreia). Jacquie e eu nos falamos por telefone sobre sua jornada em músicas originais pela primeira vez, bem como sua trajetória no The Voice e como isso tem a preparado para as situações que ela teve em todo o processo de gravação, embora reconheça que estrelas de reality shows têm muita dificuldade em encontrar carreiras legítimas após o programa.

O EP "Broken Ones” está atualmente disponível no iTunes por apenas US $ 3,99. Assim, se a faixa abaixo é sua xícara de chá, basta lembrar que você pode tomar um gole completo indo lá e comprando-a.



Jonathan Frahm: Como foi entrar no estúdio pela primeira vez, sabendo que você estava gravando para o seu novo EP, "Broken Ones"?
Jacquie Lee: Era muito foco e muita concentração. Como cantora, é muito fácil de executar todas as notas, mas, como artista, é preciso pensar muito, tentando colocar significado por trás da música. Você precisa dar às pessoas uma perspectiva sobre o que a canção é, por isso foi preciso muita reflexão e foco.

JF: E essa é a primeira vez que você grava músicas originais, certo?
JL: Sim, e é muito legal, depois do The Voice, ser eu mesma como artista.

JF: Definitivamente.  No The Voice, praticamente todas as músicas são covers, então esse EP será a primeira vez que seus fãs vão ter um olhar real no que realmente está na mesa. Como foi gravar originais e como foi diferente para você de gravar covers?
JL: É incrível gravar minha própria música! Isso me permite ser mais do que uma artista e mais do que eu sou. No programa, cantar músicas covers é muito divertido, mas as pessoas já as conhecem do artista original. Então você só tenta colocar seu próprio toque em uma música que todos já conhecem de alguma forma. Introduzindo suas próprias letras e suas próprias melodias, você consegue realmente mostrar quem você é ao mundo e colocar para fora sua mensagem. 

Foi um nível totalmente novo gravar músicas originais. É muito agradável, mas, honestamente, é muito mais assustador também! [risos] Você nunca sabe o que as pessoas vão pensar.

JF: Quais você considera como algumas das maiores mudanças, para você mesma, como artista e como pessoa, que atravessou durante e desde o seu tempo no “The Voice”? Como essas experiências contribuíram para o processo de gravação do EP?
JL: Bem, é muito diferente em alguns aspectos, porque o The Voice é um reality show e eu estou 100% no mundo da música agora. Então, foi uma pequena mudança saltar de um mundo para o outro. Foi uma boa mudança, também, porque a música é o que eu quero fazer principalmente. Eu diria que o The Voice foi praticamente um acampamento e me preparou para tudo e todo o caos que eu tive que passar depois. Cada situação possível em que eu havia me sentido estressada, disse "Eu sei como lidar com isso, porque me lembro de passar por isso no programa”.

JF: Como você se sente sobre onde sua carreira tem te levado e onde você espera estar em, digamos, daqui a dois anos?
JL: Estou emocionada com o que está acontecendo agora. Quero dizer, saindo de um programa como esse, é difícil abrir o seu próprio caminho e fazer as pessoas te verem como um artista legítimo. Eu acho que agora tenho trabalhado muito duro e gosto do lugar onde estou, mas, em dois anos, espero estar em uma turnê mundial com a minha própria música. Esse é o objetivo.

JF: E você tem uma música cover no EP - "Girls Just Want To Have Fun", que é muito diferente do que as pessoas tradicionalmente pensam quando se trata dessa música. O que você teve que decidir para colocar esse cover no EP?
JL: Bem, é uma canção clássica e todos sabem disso. É um pop gigante, uma música dançante e totalmente sacudidela e, mudar a opinião de todos sobre o que eles pensavam ser, era a única maneira pela qual essa música poderia ser interpretada. Você diz as palavras e todos vão dizer, "Oh meu Deus, eu conheço essa música!", e eu só queria surpreendê-los, mostrando-lhes como eu iria interpretá-la.

JF: Finalmente - eu não gosto de terminar minhas entrevistas com uma nota tradicional -, se você tiver tempo para mais uma pergunta, podemos “embrulhar” as coisas com algo interessante.
JL: Claro!

JF: Nome de uma das suas comidas favoritas.
JL: Oh, comida! Meu assunto favorito [risos]. Croissants de chocolate

JF: Se você fosse um croissant de chocolate, o que te diferenciaria dos outros croissants de chocolate?
JL: Eu seria o melhor croissant de chocolate - Não, [risos], mas eu seria rica, com um monte de chocolate, mas não muito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deus é tudo!