domingo, 5 de janeiro de 2014

Jacquie Concede Entrevista ao Site TVLine!

Jacquie Lee: Emoções Adultas, Jams de Jack White e “Haters de 12 anos de idade” – E mais: O que Xtina a ensinou sobre composições!

Senhoras e senhores, abram alas para “Bertha Cee Lo Green”.
Isso mesmo, esse é o nome que a vice-campeã da 5ª temporada do The Voice deu para a ‘mulher idosa’ que vive em seu estômago (a mesma velha senhora que o técnico rival, Cee Lo Green, acusou a menina de engolir após apresentar de forma brilhante sua versão da música “Who’s Lovin’ You, dos Jackson 5)
Embora a menina de 16 anos, nativa de New Jersey, adore fazer piadas sobre seu alter-ego intenso, ela é extremamente séria quando o assunto são os ensinamentos que recebeu cantando para o reality da NBC. “Eu basicamente vivi cinco anos de experiência na indústria musical participando de uma temporada desse show,” diz Lee, acrescentando que está muito feliz por não ter esperado até ficar mais velha para participar da audição. “Eu sinto que agora é a minha vez. Estou empolgada e pronta pra começar. Por que não começar jovem e continuar ganhando experiência?”.
O TVLine conversou com Lee sobre suas performances épicas de “I Put A Spell On You” e “Love Is Blindness”, sua amizade e indentificação com sua técnica Christina Aguilera e a forma como seus hormônios – sim, hormônios – contribuíram para sua trajetória para a final da 5ª temporada do The Voice.

TVLINE | Como você escolheu “Back to Black” para sua Adição Às Cegas?

Jacquie: Eu sou fã da Amy Winehouse. Amo as músicas dela. E a forma como ela explora o lado blues dessa música. A progressão de acordes é muito legal você só faz a nota correta e já soa incrível. Como pessoa, ela não era um bom modelo para os jovens, mas, como artista, ela era meu modelo. Ela colocava toda a sua vida nas suas músicas.

TVLINE | Você ganhou os knockouts com a música “Stompa”, que não foi um grande sucesso nos EUA. Você tinha a ouvido antes de participar do programa?

Jacquie: Bom, eles nos deram uma grande lista de músicas. E eu queria escolher uma que não era um grande hit. Eu escutei “Stompa” algumas vezes em comerciais, talvez uma vez no rádio. Serena Ryder é uma cantora maravilhosa, e eu sabia o refrão da canção, mas a primeira vez que eu a escutei, achei que fosse Adele – por causa da introdução lenta. E eu pensei,“ Isso pode ser muito legal.”

TVLINE | Você teve medo do fato de que os telespectadores poderiam não conhecer a canção?

Jacquie: Quando eu tenho que escolher algo, eu faço uma pesquisa de antemão. Mas, depois que eu escolho, tento apenas não pensar. Eu tento ir confiantemente na direção que estou indo, porque, caso contrário, você acaba se ferrando de alguma maneira. [Risos]

TVLINE | Para mim, a sua versão de “I Put A Spell On You”, na semana do Top 20, foi fantástica – Eu me rendo, a melhor performance da temporada. Você já a havia cantado antes do The Voice?

Jacquie: Eu sequer tinha a escutado antes. Christina deu músicas incríveis para todas as cinco pessoas do meu time, e a minha foi, na verdade, a mais antiga – embora eu fosse o membro mais jovem. Achei muito legal ela ter tanta confiança em mim, pra me entregar uma canção tão brilhante para performar.

TVLINE | Houve muitas conversas do tipo, “Jacquie é muito jovem. Como ela consegue passar tanta emoção e angústia?” Então, eu tenho que te perguntar, como você faz isso?

Jacquie: As letras são “grandes” para mim. Eu tenho que encontrar certos pontos para me conectar com elas. As pessoas dizem, “Oh, ela só tem 16 anos”. Mas, para ser honesta, qualquer um de 16 anos tem sentimentos como todo mundo. Nós sentimos tudo que eles sentem. É uma concepção estranha. Como, por exemplo, amar aos 16 anos é algo que uma pessoa mais velha pode olhar e dizer, “Não, isso não é amor.” Mas, na verdade, é. Porque isso é o máximo que podemos amar nesse momento. É o que nós somos capazes de amar, é o máximo que podemos sentir. E mais, adolescentes têm hormônios. Então, tem isso também. [Risos]

TVLINE | Você sentiu que depois de "I Put a Spell on You”, poderia ter grandes chances de ganhar?

Jacquie: O que é estranho é que eu nunca pensei o que poderia acontecer mais adiante. Estávamos todos tão ocupados o tempo todo, eu literalmente estava focada apenas no que estava fazendo no momento, qual seria a programação para o dia seguinte e depois dormir. Isso é tudo o que tínhamos tempo de fazer. Então, felizmente, não tivemos tempo para analisar demais. Qualquer outra coisa teria sido ruim para mim, porque eu tenho tendência a pensar demais.

TVLINE | A semana do Top 12 foi mais um grande momento, onde cantou  "Love Is Blindness" uma canção do U2 que tinha sido gravada por Jack White. Como isso aconteceu?

Jacquie: Eu sabia que era uma canção da trilha sonora de "The Great Gatsby", a versão do Jack White, e coloquei na minha lista. Christina sempre olhou para a minha lista e levou isso em consideração, o que foi muito legal para mim, porque como treinadora ela poderia dizer: "Não. Não vou ler sua lista. Eu acho que ela deve performar esta canção." Mas Christina sempre foi atenciosa e eu amei cantar "Love Is Blindness”, porque isso é tão inesperado para uma adolescente, cantar uma canção do Jack White, sabe?

TVLINE | E então você cantou com Paramore na final, por isso é que você veio completa com uma personalidade de "rock -chick".

Jacquie: Posso dizer que Hayley Williams é a pessoa mais legal de todas? Ela é tão pé no chão e tão humilde, foi uma loucura, eu tinha que aprender a nossa música na manhã da final. Tinha o ensaio geral acontecendo e as pessoas puxam você para a esquerda e direita. Nosso primeiro ensaio foi a primeira vez que ouvi a música e eu estava tipo: "Droga! Ela vai pensar que eu não sei a sua música e que eu não ensaiei, ela não sabe que eu só peguei a música hoje de manhã." Mas ela foi tão boa. Dizia: "Se você precisar de alguma coisa, pode simplesmente me chamar e eu vou ajudá-la a aprender. Não se preocupe com isso. Vai ser incrível."

TVLINE | Então, voltando à competição... Semana do Top 10, sua interpretação de "Clarity” foi, sem dúvida, o seu momento mais difícil no show, tanto em termos de desempenho como de feedback. Para mim, você parecia um pouco nervosa quando a música começou. O que aconteceu lá, ou eu interpretei mal?

Jacquie: Não era realmente nervosismo, mas tinha sido uma manhã louca. Eu não estava bem quando fui para o palco, quero dizer, não foi horrível, mas também não foi incrível. Foi uma semana em que eu estava com muito, muito medo do resultado da terça-feira.

TVLINE | Para seus haters, eles utilizaram esse desempenho como argumento, "Jacquie não pode cantar de forma suave, ela só canta de um jeito.” Você ouviu isso através do Twitter, Facebook ou por mensagens? E como você lida com isso aos 16 anos de idade, ser atingida com esse tipo de crítica?

Jacquie: Foi muito difícil. Eu definitivamente ouvi tudo isso e você não pode simplesmente dizer “Ah, só não leia os comentários” porque eles marcam você neles. Então, é como olhar e pensar "droga" e agora digo "Bem, muito obrigada." Há algumas crianças de 12 anos com muito ódio ali [Risos]. Eu aceitei as duras críticas essa semana porque eu sabia que não tinha sido o meu melhor desempenho e foi a primeira vez que mostrei o lado mais suave da minha voz. Eu não queria que fosse nada menos que perfeito.
Mas agora eu lido com as críticas muito melhor que antes. Tive os melhores conselhos de muitas pessoas que realmente se importam comigo e só querem ver o melhor para mim. Christina está sob os olhos do público desde criança. Eu conversei com ela sobre isso todo o tempo. Ela disse algo como: você não pode ler essas coisas. Isso vem de pessoas ciumentas, invejosas e odiosas. Não são eles quem vão subir ao palco e fazer isso. Eles não sabem quem você é e não conhecem a sua voz." Cantar "Angel" foi uma maneira de lutar contra os argumentos dessas pessoas. Eu conheço minha voz e sei como ela soa. E, um dia, espero que eles também vejam. Mas, se não, cada um tem sua própria opinião.

TVLINE | Certamente, Christina teve que lidar, em primeira mão, com as críticas da internet.

Jacquie: Com cada uma. E ela soube ganhar pontos muito bem. Christina sabe sempre o que estou pensando. E ela sabe exatamente as coisas certas a se dizer, porque ela passa por isso. E ela tem, realmente, um grande coração. Então, ela me deu o melhor conselho, que foi: "você não precisa agradar todo mundo." Eu deixei por isso mesmo. Você não pode se estressar com essas coisas porque, obviamente, haverá haters e críticas. E, você sabe, se estou feliz, estou bem se qualquer um diz qualquer coisa. Desde que não seja você, Michael Slezak! [Risos]

TVLINE | Ah! Nunca! Na semana seguinte, você veio e começou “Who’s Lovin’ You”  completamente a capella - com a câmera focada exatamente em seu rosto. Foi assustador?

Jacquie: Eu nunca fico nervosa. E não estava nervosa porque Paul Mirkovich [líder da banda do The Voice] é, simplesmente, perfeito. Ele é, literalmente, um prodígio. E, você sabe, eu tinha um ponto no ouvido, e ele me deu a nota para começar o passo e, então, eu só tive que ter a certeza de que era o tempo certo para continuar nesse passo. Foi bem legal - ter a oportunidade de começar uma música a capella no palco, em rede nacional. Isso é louco!

TVLINE | Uma coisa que me irritou naquela semana foi a forma como o ensaio da sua coreografia foi mostrado - e como eles mapearam o ponto onde você caiu de joelhos e encarou alguém Preocupei-me, porque as pessoas poderiam se questionar sobre sua autenticidade ou pensarem que você mapearia muito toda a sequência.

Jacquie: Preocupei-me com isso também. Por isso, geralmente, qualquer coreografia que me é dada, eu pego e descarto. Eu só faço minhas próprias coisas, realmente. Mas, naquele número, fui orientada especificamente a cair no chão. E foi a primeira vez que eu fiz isso na vida. Então, para ser honesta, não foi autêntico. Mas as performances depois dessa foram muito melhores, por causa dessa experiência. Acho que foi isso que Christina estava tentando fazer - ela queria me fazer experimentar aquela emoção, fazer aquilo. E foi o que me empurrou para o próximo nível e me tirou da minha zona de conforto.

TVLINE | Para as semifinais, você se apresentou com "Angel", de Sarah McLachlan’s, e disse anteriormente como foi uma escolha deliberada para mostrar às pessoas que pode apresentar algo mais calmo com sucesso. Foi a escolha de música óbvia para vocês? Ou vocês debateram sobre outras opções nessa semana?

Jacquie: Essa semana foi cansativa. Nós nos reunimos por horas. Eu nem sei bem como chegamos a "Angel". Alguém simplesmente disse que gostava da música. E, óbvio, eu ouvi "Angel" e acho Sarah McLachlan’s comercial. Mas, então, eu penso em quanto a voz dela é incrível, assim como seu tom de voz. Mas nunca, em um milhão de anos, eu ouviria esta música e diria: "Yeah. É totalmente eu." Essa escolha foi muito arriscada e assustadora para mim. Depois de "Clarity" e todo o feedback negativo, eu realmente não poderia mais dizer o que seria bom ou ruim. Durante os treinamentos, eu e Christina ficamos muito cansadas - foram horas e horas. Eu apenas alcancei uma nota na música e ela sorriu. E foi quando ambas soubemos. Nós estávamos como: "É isso. Nós estamos certas."

TVLINE | É uma melodia tão bonita, mas, ao mesmo tempo, a letra é muito obscura. Emocionalmente, como é que você se aproxima da música?

Jacquie: É interessante, a justaposição das letras e o tom doce, sonoridade agradável. Eu sou apaixonada por essas letras. Porque eu sou muito profunda, amo letras poéticas de profundidade. E "Angel" pode seriamente falar com várias pessoas. É sobre como os artistas da indústria, que se sentem só e se transformam com coisas como drogas.
Ela lhe dá esse imaginário específico e, ao mesmo tempo, "Encontra conforto aqui." Como, "eu estou aqui. Não vá se afundar com isso". Ela realmente acertou. Porque eu já tinha experimentado como esta indústria pode ser tão solitária - mesmo quando você está cercado por tantas pessoas.

TVLINE | Falando em loucas, performances surpreendentes. Eu tenho que te perguntar sobre as músicas de Michael e Janet Jackson, com que você se apresentou com seu companheiro de equipe, Matthew Schuler, e sua Coach, Christina. Foi uma explosão absoluta para se assistir.

Jacquie: Essa foi a minha performance favorita. Foi muito divertido. Tivemos um ensaio para isso. Treinamos as músicas em um dia. [Risos]. É uma loucura a quantidade de trabalho, o foco e a concentração. Eu enlouquecendo. E amo o Schuler. E isso foi, tipo a coisa mais legal que eu já fiz na minha vida. O cenário todo, os dançarinos, a vibração. Se você é uma criança que cresce ouvindo Michael Jackson, aposto que gostaria de estar no palco se se sentindo uma durona, apresentando essas músicas. Minha mãe ficou com muitos ciúmes. Ela ficou como, "Eu gostaria de poder cantar. E gostaria de ser você agora!" [Risos]

TVLINE | Então, você chegou ao o final. O quão difícil foi a escolha música?

Jacquie: Christina soube imediatamente que duas músicas faríamos. “We Remain” foi perfeita porque eu secretamente sempre comparei esta competição com “The Hunger Games” - Uma vez que é fazer ou morrer. E a mensagem da música era perfeita para onde estávamos. Em seguida, veio a música da Jennifer Hudson – uma música muito difícil. E Christina sabe que eu trabalho bem sob pressão. Então, era bastante óbvio que eu tinha que fazer isso.

TVLINE | “And I’m Telling You (I’m Not Going)”, representa como o Monte Everest - e você é o alpinista. Você já assistiu novamente? E como você se sente sobre isso?

Jacquie: Ah, eu nunca assisto nada de novo.

TVLINE | É mesmo?

Jacquie: Eu não sei o porquê. Só não faço. Sou estranha. Mas, eu vou dizer, estava muito feliz com esse desempenho. Às vezes eu vou para o YouTube e leio alguns comentários. Estou aprendendo a não fazer isso. É uma luta diária. Mas, de qualquer forma, eu estava orgulhosa. E estou feliz. Foi a maior, a maior canção que já me deram.

TVLINE | Então, a pergunta final é óbvia - o que vem por aí para você?

Jacquie: Vou manter o ritmo, acertar enquanto está quente, e trabalhar bastante para o próximo ano. Apenas escrever, tentar colocar músicas no rádio e escolher a gravadora certa. Eu não quero ser um daqueles artistas, e eu não serei um desses artistas, que as pessoas olham para trás na 5ª Temporada e perguntam: "Quem é ela? Para onde ela foi?" Eu farei um nome para mim.

TVLINE | Você compõe? 

Jacquie: Sim. Eu adoro compor. Na verdade, é uma outra paixão minha. Eu escrevo. Sou cantora/compositora. E estou muito, muito animada para voltar a fazer isso. Além disso, agora eu tenho um método legal de escrever que Christina me ensinou. Basta, literalmente,  escolher as linhas do meu diário e começar a partir daí.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deus é tudo!